Luciano Tavares Advogado especialista em Direito Médico

Iatrogenia e Erro Médico: A ação de produção antecipada de provas

Iatrogenia e Erro Médico: A ação de produção antecipada de provas

O texto escrito pelo Dr. Luciano Tavares, advogado especialista em Direito Médico e da Saúde, aborda a distinção crucial entre iatrogenia e erro médico em contextos judiciais. Destaca-se que, enquanto a iatrogenia refere-se a danos ou efeitos adversos decorrentes de um tratamento médico adequado, mas dentro dos padrões recomendados, o erro médico implica em condutas negligentes, imprudentes ou imperitas do profissional de saúde. O texto ressalta a importância de compreender essa diferenciação para evitar ações judiciais infundadas e destaca a necessidade de uma investigação minuciosa da conduta do profissional antes de buscar sua responsabilização. Além disso, aborda a ação de produção antecipada de provas como um meio de preservar evidências relevantes para casos de erro médico, garantindo uma análise apropriada antes do ingresso de ações judiciais.

Escrito por: Dr. Luciano Tavares – Advogado Especialista em Direito Médico e da Saúde


Em um tratamento médico, é comum que apesar de ser tecnicamente adequado, venha ocasionar danos ao paciente, levando à rotulagem equivocada de erro por parte do profissional de saúde. Essa confusão surge da falta de distinção entre a obrigação de proporcionar cuidados médicos (obrigação de meio) e a expectativa de uma cura definitiva (obrigação de resultado). É crucial compreender que a medicina não é uma ciência exata e nem promete a cura absoluta, mas sim a prestação de cuidados diligentes e prudentes, visando à cura, o que caracteriza uma obrigação de meio. Estado assim a conduta do profissional de saúde em conformidade com o disposto no Código Civil, bem como no Código de Defesa do Consumidor.


Mesmo quando o profissional da saúde demonstra máxima diligência e utiliza as melhores técnicas e medicamentos disponíveis, ainda assim existe o risco de o paciente sofrer danos devido a circunstâncias patológicas, resultando na chamada iatrogenia. A iatrogenia refere-se a efeitos adversos ou alterações patológicas decorrentes de um tratamento adequado e dentro dos padrões recomendados, podendo ser previsíveis, esperados, controláveis ou, às vezes, inevitáveis. No entanto, tais efeitos não são necessariamente prejudiciais e, em alguns casos, podem até ser até benéficos.


É essencial enfatizar que a iatrogenia não implica em responsabilidade civil para o profissional da saúde, pois decorre de uma ação tecnicamente correta e benéfica. Em contrapartida, o erro médico, resultante de conduta negligente, imprudente ou imperita do profissional, pode gerar responsabilidade civil pelos danos causados ao paciente.


Para que a conduta do profissional da saúde venha a ser considerada erro é necessário que sua conduta profissional por ação ou omissão tenha sido diretamente responsável pelo dano ao paciente, demonstrando negligência, imprudência ou imperícia


A responsabilidade civil é um conceito legal que estabelece que uma pessoa ou entidade possa ser responsabilizada por danos causados a outra parte devido a sua conduta negligente, imprudente ou imperita. Em outras palavras, quando alguém causa prejuízos a outra pessoa por não agir de acordo com os padrões aceitáveis de cuidado, essa pessoa pode ser considerada responsável legalmente pelos danos causados e, portanto, obrigada a repará-los.


No contexto da prática médica, a responsabilidade civil muitas vezes surge quando um profissional de saúde, como médico, enfermeiro ou hospital, não cumpre o dever de cuidado devido ao paciente, resultando em danos físicos, emocionais ou financeiros. Nesses casos, a parte prejudicada pode buscar compensação financeira por meio de uma ação judicial, alegando negligência, imprudência ou imperícia por parte do profissional ou instituição de saúde.


Mas como distinguir a conduta que viola a responsabilidade civil da iatrogenia?


Por exemplo, em casos onde o paciente possui uma doença rara, não diagnosticável anteriormente, que é desencadeada pelo tratamento de uma doença simples, como uma gripe, é injusto responsabilizar o médico pelos danos irreversíveis.


É uma premissa no Direito que mesmo que exista uma violação ao direito material, é necessário haver provas que evidenciem a violação a tal direito. No contexto de ações de responsabilização por erro médico a exigência de provas técnicas é mais do que necessária, é uma regra.


Ao iniciar uma ação judicial envolvendo questões médicas, é crucial compreender a diferença entre iatrogenia e erro médico. Essa distinção pode ser a linha tênue entre o sucesso e o fracasso do processo.


Uma das formas de evitar processos temerários é buscar, antes de propor a ação de reparação civil por erro médico, construir de forma substancial a prova de que o ato médico foi realizado por negligência, imprudência ou imperícia, por meio de uma ação de produção antecipada de provas.


Uma ação de produção antecipada de provas em um contexto de erro médico é um procedimento legal pelo qual a parte interessada, geralmente o paciente ou seus representantes legais, solicita ao Poder Judiciário a obtenção e preservação de evidências relevantes antes de iniciar formalmente um processo judicial por erro médico. O que busca apontar se o ato supostamente danoso por erro médico, foi de fato um erro, ou um ato de iatrogenia


Em casos de suposto erro médico, as evidências podem incluir o pedido de perícias, de análise de registros médicos, resultados de exames, relatórios de diagnóstico, depoimentos de testemunhas, entre outros. 


A ação de produção antecipada de provas em casos de erro médico é crucial para garantir que todas as evidências relevantes sejam preservadas e disponibilizadas para uso posterior no processo judicial principal por reparação de danos. 


A iatrogenia e o erro médico são, portanto, conceitos distintos, pois a presença de iatrogenia impede a responsabilização por erro médico, já que não houve violação do dever de cuidado por parte do profissional. Sem fortes evidências de que o ato realizado tenha de fato relação com a violação do dever de cuidado, é inadequado propor uma ação judicial única para discutir reparação de danos, sem uma prova concreta de desobediência a responsabilidade civil.


Dado que a medicina não é uma ciência exata e que circunstâncias imprevisíveis podem surgir, é crucial realizar uma investigação minuciosa da conduta do profissional antes de buscar sua responsabilização, pois nem toda consequência danosa resulta de um erro médico.


Base do Conhecimento

Base do Conhecimento completa sobre Direito Médico e Saúde.​

Glosa Saiba Como Evitar

Glosa: Como evitar – Guia Completo

Médicos frequentemente enfrentam a recusa de pagamento (glosa) por parte de planos de saúde e do SUS, o que pode comprometer seriamente seus rendimentos e reputação profissional. As principais causas incluem erros de preenchimento de documentos, divergências de cobertura, uso incorreto de códigos, falta de documentação adequada, atrasos no envio de informações e falhas em autorizações prévias. Para evitar essa situação, é essencial preencher corretamente guias e prontuários, conhecer as regras de cobertura, utilizar códigos atualizados, manter registros detalhados, cumprir prazos, solicitar autorizações prévias quando necessário e acompanhar faturas de perto, contestando recusas injustificadas. Caso ainda assim enfrente problemas, o Dr. Luciano Tavares, especialista em direito médico e da saúde, pode oferecer assessoria jurídica especializada para defender os interesses dos médicos.

Leia Mais »
Carência Plano de Saúde

Carência em Planos de Saúde

No texto “Carência em Planos de Saúde”, é explicado que as carências são períodos estabelecidos pelas operadoras de planos de saúde, durante os quais o beneficiário deve esperar antes de poder utilizar determinados serviços cobertos. Essa medida visa evitar comportamentos oportunistas e garantir a sustentabilidade financeira das operadoras, impedindo que as pessoas contratem o plano apenas quando necessitam de tratamentos específicos caros. As carências variam de acordo com a natureza do procedimento, sendo mais longas para casos de doenças preexistentes e procedimentos complexos. Durante o período de carência, o beneficiário pode utilizar serviços não relacionados ao tratamento sujeito à carência. O entendimento dessas carências é essencial para um planejamento adequado do uso do plano de saúde, garantindo que o beneficiário possa acessar os serviços necessários quando precisar, sem surpresas desagradáveis.

Leia Mais »
RN 593/23 Cancelamento de Planos de Saúde

RN 593/23: Entenda as Novas Regras da ANS para Cancelamento de Planos de Saúde por Inadimplência

A recente RN 593/23 da ANS estabelece novas diretrizes para o cancelamento de planos de saúde por inadimplência, exigindo notificação prévia e clara ao usuário. A normativa, em vigor desde abril de 2024, abrange diversos tipos de contratação e permite o uso de meios eletrônicos na comunicação. Para exclusão do beneficiário, são necessárias duas mensalidades não pagas em 12 meses, com prazo de 10 dias para quitação do débito após notificação. A resolução também protege pacientes internados ou em tratamento médico de doença grave contra rescisão unilateral.

Leia Mais »
Iatrogenia e erro medico

Iatrogenia e Erro Médico: A ação de produção antecipada de provas

O texto escrito pelo Dr. Luciano Tavares, advogado especialista em Direito Médico e da Saúde, aborda a distinção crucial entre iatrogenia e erro médico em contextos judiciais. Destaca-se que, enquanto a iatrogenia refere-se a danos ou efeitos adversos decorrentes de um tratamento médico adequado, mas dentro dos padrões recomendados, o erro médico implica em condutas negligentes, imprudentes ou imperitas do profissional de saúde. O texto ressalta a importância de compreender essa diferenciação para evitar ações judiciais infundadas e destaca a necessidade de uma investigação minuciosa da conduta do profissional antes de buscar sua responsabilização. Além disso, aborda a ação de produção antecipada de provas como um meio de preservar evidências relevantes para casos de erro médico, garantindo uma análise apropriada antes do ingresso de ações judiciais.

Leia Mais »

Pedido de Medicamento

Por que contratar o Dr. Luciano Tavares?

Minha missão é garantir o acesso a medicamentos essenciais e de alto custo que são negados pelo SUS ou pelas operadoras de planos de saúde. A decisão de solicitar judicialmente o medicamento é sua!

Ao optar por esse caminho, minha equipe oferece os seguintes serviços:

Personalizado

Aqui cada cliente é único!

Não fazemosCopia e Cola“.

Nosso atendimento e execução dos serviços atendem seu problema de forma exclusiva.

Digital

Se seu processo é digital nós também podemos ser!

Atendemos de maneira 100% digital com contratos assinados pelo Portal de Assinaturas da OAB e conduzimos seu processo de forma totalmente eletrônica.

Especializado

Um time de advogados especialistas em seu caso!

Aqui você conta não apenas com um advogado, mas com um time especializado em seu problema. Que realmente sabe o que faz, e que não confunde teses jurídicas.

Todo Brasil

Atuamos em todo o Brasil!

Você pode ter o melhor e contar com um escritório que atua em pedidos de medicamentos em todo o Brasil, não importa onde você estejaVai ter algum ato presencial? Não se preocupe, temos advogados credenciados que podem te acompanhar.

Rolar para cima